Salmo 3 de Davi quando fugiu do seu filho Absalão:

Senhor, muitos são os meus adversários!
Muitos se rebelam contra mim!
São muitos os que dizem a meu respeito: “Deus nunca o salvará!”
Mas tu Senhor, és o escudo que me protege; és a minha glória e me fazes andar de cabeça erguida.
Ao Senhor clamo em alta voz, e do seu santo monte ele me responde.
Eu me deito e durmo, e torno a acordar, porque é o Senhor que me sustem.
Não me assustam os milhares que me cercam.
Levanta-te, Senhor!
Salva-me, Deus meu!
Quebra o queixo de todos os meus inimigos; arrebenta os dentes dos ímpios.
Do Senhor vem o livramento.
A tua benção está sobre o teu povo.

Confiar no Senhor ou nos meios – Saul e Davi

Em que depositava Saul mais confiança, no Senhor ou na armadura? Na armadura, sem dúvida; e é assim com todos aqueles que não andam verdadeiramente por fé; apoiam-se nos meios, e não em Deus.

O homem dos meios e o homem da fé estão realmente diante de nós, e nós percebemos imediatamente como o último está longe de agir segundo os meios. Ora Davi sentiu que os vestidos de Saul e a sua couraça não representavam esses meios, e portanto recusou-os. Se ele tivesse partido com eles, a vitória não teria sido tão claramente do Senhor. Mas Davi havia confessado a sua fé na libertação do Senhor, e não na armadura de Saul.

Tem-se dito, e muito bem, que o perigo para Davi não foi quando se encontrou com o gigante, mas quando se viu tentado a usar a armadura de Saul. Se o inimigo tivesse sido bem sucedido em o induzir a ir com ela, tudo estava perdido; mas, mediante a graça, ele rejeitou-a, e assim entregou-se inteiramente nas mãos do Senhor, e nós sabemos qual a segurança que encontrou nelas. É isto que a fé sempre faz; deixa tudo, inteiramente, ao cuidado de Deus. Não se trata de confiar no Senhor e na armadura de Saul, mas somente no Senhor.

E não podemos nós aplicar este princípio ao caso de um pobre pecador desamparado, a respeito do perdão dos seus pecados? Creio que sim. Satanás procura tentar o pecador a acrescentar alguma coisa à obra consumada de Cristo – alguma coisa que diminua a glória do Filho de Deus como o único Salvador de pecadores. Ora àqueles que assim fazem eu gostaria de dizer que seja o que for que se acrescente à obra de Cristo só consegue inutilizá-la.

Em resumo: devemos ter, portanto, somente Cristo; e não Cristo e as nossas obras, mas simplesmente Cristo, porque Ele é suficiente; não precisamos de nada mais, e não podemos passar com menos. Desonramos a suficiência do Seu sacrifício expiatório sempre que procuramos ligar alguma coisa nossa com ele, precisamente como Davi teria desonrado o Senhor indo ao encontro do gigante filisteu com a armadura de Saul.

Fonte: extraído do livro “Exemplos da Vida de Fé na Vida e Época de David” de C.H. Mackintosh do Depósito de Literatura Cristã. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.