24 min leitura

E sucedeu que, estando Josué perto de Jericó, levantou os seus olhos e olhou; e eis que se pôs em pé diante dele um homem que tinha na mão uma espada nua; e chegou-se Josué a Ele, e disse-Lhe: ‘És tu dos nossos, ou dos nossos inimigos?’ E disse ele: ‘Não, mas venho agora como príncipe do exército do Senhor.’ Então Josué se prostrou com o seu rosto em terra e O adorou, e disse-Lhe: ‘Que diz meu senhor ao seu servo?’ Então disse o príncipe do exército do Senhor a Josué: ‘Descalça os sapatos de teus pés, porque o lugar em que estás é santo.’ E fez Josué assim.

(Js 5.13-15)

Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos.

(Ef 1.18)

Gostaria de deixar claro desde já que não é meu propósito tratar da correspondência entre o livro de Josué e a carta aos efésios. Estamos ocupados nesses estudos com um assunto em particular, ao redor do qual tudo se reúne, o qual é o centro, a saber: o objetivo de Deus de ter a plenitude celestial expressa nessa Terra e por meio de um povo. Todas as Suas atividades ao longo dos séculos, desde o tempo em que estabeleceu os céus sobre a Terra foram, e ainda são, se tomadas a partir do ponto de vista do homem, como uma peregrinação, um movimento espiritual em direção ao céu. Isso não significa necessariamente um movimento literal para algum lugar, mas é um progresso dentro da esfera do propósito de Deus – é aquilo que o Senhor Jesus denominou “como no céu” (Mt 6.10) quando se referia à vontade de Deus, uma correspondência na terra daquilo que está no céu. Existe um caminho, uma jornada celestial nessa direção, e estamos buscando, entre outras coisas, ver sua natureza. Assim, vimos que, uma vez que na conversão muitos não sabem muito além do início desse caminho, o Senhor levanta instrumentos com o objetivo de serem os pioneiros do caminho para os demais, e nesses vasos aprofunda bastante Sua obra em relação ao céu.

Vamos prosseguir um pouco mais. Nessas duas passagens que acabamos de ler chegamos a um ponto particular nesta questão de atingir a plenitude celestial. A segunda metade do livro de Josué se concentra no povo recebendo a herança: a herança é dividida, distribuída e Israel toma posse dela. Estranhamente vemos a ordem invertida em Efésios, a epístola correspondente a Josué. Ali se fala da herança de Deus em Seu povo: “As riquezas da glória da Sua herança nos santos” (1.18). Gostaria mencionar algo a esse respeito antes de prosseguirmos, pois não se trata de algo diferente, mas da mesma coisa vista por outro lado.

O Senhor só recebe Sua herança quando, e somente quando, Seu povo se torna de fato um povo celestial. Para que o Senhor tenha Sua herança, Seu povo deve estar na posição em que é visto na Epístola aos Efésios.

Quando Seu povo de fato toma a posição e a posse [descritas no livro de Josué], então se torna verdadeiramente um povo celestial, e o Senhor recebe Sua herança. Ver “as riquezas da glória da Sua herança nos santos” significa, por esse outro lado, que chegamos ao ponto onde Ele pode ver isso em nós. O Senhor não pode ver Sua herança nos santos até que Ele os veja posicionados no lugar que Ele designou, até que Ele os veja realmente como o povo que responde a Seu propósito como um povo celestial. Digo isso para esclarecer qualquer possível dificuldade mental advinda de falarmos do povo possuindo uma herança e dessa menção ao Senhor possuindo Sua herança.

O ponto que queremos destacar não é apenas essa verdade de existir uma herança em Cristo, seja para nós ou para o Senhor. Não nos referimos apenas a essa verdade, demonstrada na Palavra, de que quando estamos em união com Cristo por meio de Sua morte, de Seu sepultamento e de Sua ressurreição, entramos na esfera de plenitude Divina. O ponto que estamos enfatizando nesse momento é de realmente nos tornarmos um povo celestial, de fato tomar posse disso – não doutrinária, não teórica, não biblicamente, mas em verdade. Tenho certeza de que vemos essa verdade, a contemplamos, reconhecemos que é uma apresentação maravilhosa. Estou certo de que abraçamos essa idéia no coração, mas o problema é que tudo isso é tão familiar e amplamente difundido por meio de ensino, e ainda assim poucos vivem essa experiência. Eles ainda não chegaram realmente àquela posição onde sua vida corresponde a esse conhecimento, e qual é a utilidade ou o benefício de toda a nossa doutrina, do nosso ensino, da nossa interpretação, da contemplação e tudo o mais se não desfrutamos disso? Portanto, precisamos olhar para o caminho de maneira que, eu diria, possamos chegar lá, para que aquilo se torne realidade.

O senhorio do Espírito Santo

A primeira coisa que acontece depois daquela obra preparatória que mencionamos anteriormente – o Jordão, o deixar algo no leito do Jordão, nosso velho homem crucificado e deixado ali; após deixá-lo ali e deixá-lo ser coberto pelas águas e deixá-lo para trás; depois disso e depois de Gilgal, que representa o lado negativo desse fato, o despojamento – é o lado positivo, o revestir-se, a tomada de posse ou a entrada na terra de fato, é o tornar-se aquilo que sempre esteve em vista. Isso sempre esteve em vista, pelo menos desde que o povo saiu do Egito, e vemos que isso foi mencionado no cântico de Moisés. Sim, isso foi prenunciado na libertação do povo, do outro lado do Mar Vermelho, naquela grandiosa canção profética. Sempre foi uma noção, mas tratava-se de algo remoto, em algum ponto distante, mais ou menos vívido, conforme os dias passavam; era algumas vezes algo forte, claro, positivo e envolvente; em outras, esmaecido, fraco, distante e abstrato.

Mas toda essa questão veio à tona como algo presente: a preparação fora feita. Chegamos à passagem que acabamos de ler em Josué 5.13-15. Josué, diante de Jericó, “levantou os seus olhos e olhou; e eis que se pôs em pé diante dele um homem que tinha na mão uma espada nua”. O espírito guerreiro em Josué evidentemente se elevou, e ele desafiou o homem: “És Tu dos nossos, ou dos nossos inimigos?” – provavelmente indicando que, se o homem respondesse sim à última parte da pergunta, seria pior para ele –, pois naquele ponto Josué via apenas um homem. A resposta dada revelou que Ele era mais do que um homem. Josué capitulou, deixou a atitude desafiadora de lado, curvou-se, adorou, confessou-se servo desse Homem e pediu-Lhe instruções.

Quem é este Homem? Como eu disse em um capítulo anterior, minha convicção particular é que este Homem representa, nesta porção específica da Bíblia, o Espírito Santo no Novo Testamento. Isso, acredito eu, poderia ser confirmado por muitas evidências, mas, sem argumentar a esse respeito a partir das Escrituras, vamos ver como a coisa se desenrola de fato.

Vemos diversas mudanças tomando lugar a partir deste ponto. Até aqui o curso, o caminho, o governo do povo tinham sido regulados pela coluna de nuvem e pela coluna de fogo. Todos concordamos que isso era o Espírito Santo. Trata-se de algo objetivo, evidente para os sentidos, algo característico do deserto. Quando chegamos aos lugares celestiais, tudo provém do Espírito; mas, apesar de neste ponto Ele ter assumido uma forma visível, isso nunca mais aconteceu no futuro. Ele desapareceu da percepção sensorial, apesar de permanecer presente nos acontecimentos, sempre ali, o Príncipe invisível do exército do Senhor. Essa é uma mudança importante, e ainda há muitas outras acontecendo. Não há mais o maná, mas o fruto da terra, pães e espigas tostadas, que são, em outro sentido o pão da vida, o alimento celestial [conf. Js 5.11,12]. Tudo isso pertence a outra esfera: Cristo em ressurreição, não mais o pão partido, Cristo em humilhação. Temos Cristo em ressurreição, o alimento de um povo celestial. Um alimento pertencia ao deserto, mas esse pertence à terra. E assim podemos continuar observando essas diferenças. Veja, nesta esfera tudo é essencialmente celestial, toma um novo sentido; em outras palavras, é essencialmente espiritual; não mais sensorial, temporal, mas essencialmente espiritual.

Paulo diz que o Espírito Santo é o “penhor da nossa herança” (Ef 1.14), de forma que a chegada do Espírito Santo neste ponto torna-se a garantia de que o propósito de Deus será cumprido. Apesar de invisível a partir deste ponto, Ele é a segurança absoluta de tudo o que está prestes a acontecer. Em nosso último estudo mencionamos que a presença do Espírito Santo na unção para o propósito Divino positivamente garante a realização desse propósito, não é apenas uma fonte para a capacitação, mas é a própria base que garante sua realização. Como isso se torna realidade? Algo mais do que apenas uma doutrina, uma verdade, um preceito, mas se concretiza como uma realidade presente?

Deus nos deu o Espírito como um penhor: a garantia, a segurança. O aspecto positivo se inicia com este fato: o Espírito Santo é apresentado como Senhor. Perceba que a Escritura o denomina “como príncipe”. “Como Príncipe do exército do Senhor”: Ele é apresentado em Seu Senhorio. O lado positivo das coisas começa aqui, com o Senhorio absoluto do Espírito Santo entre o povo de Deus. Ele é assim apresentado e reconhecido, e algo relacionado a isso é feito. Não se trata de uma verdade objetiva, mas de algo que é positivamente realizado em relação a ela. Josué se prostrou em absolutas rendição e sujeição.

A Cruz conduziu a isso. A Cruz sempre nos dirige ao Senhorio do Espírito Santo. Deixamos o Jordão com direção a Seu Senhorio. A Cruz demanda isso. Se Ele não estiver em Seu lugar como Senhor, e se não houver rendição, melhor retornar à Cruz – volte e dê outra olhada nas águas, veja aquelas pedras que devem representar você. Algo errado aconteceu; se Ele não for o Senhor você não está sendo fiel ao fato da Cruz.

Mas aqui, na interpretação espiritual, assumimos que a Cruz já é realmente um fato estabelecido. Embora existam as falhas e as fraquezas na vida humana – e as vemos em Josué –, e, apesar dessas faltas e fraquezas e imperfeições ainda existirem em nossa humanidade, consideramos que a Cruz já quebrantou e abriu caminho para o Espírito Santo no que diz respeito ao nosso coração, a nossa vontade e a nossa mente. Isto é o que a Cruz representa: o caminho do Senhorio do Espírito aberto, e, mediante esse Senhorio, o caminho para a plenitude celestial está aberto.

Que profunda diferença encontramos entre as “conquistas” (?) do homem – eu diria, os avivamentos produzidos pelo homem – e a obra do Espírito Santo! Que diferença! Josué é o livro das poderosas diferenças. A diferença aqui é tal que acaba tirando o homem de cena. O homem não pode enfrentar essa coisa, ele não tem espaço aqui, pois tudo está muito além de sua capacidade de fazer estimativas. O Senhor lançou Seu povo numa esfera onde tudo é absolutamente diferente do modo do homem fazer as coisas. Quando o Espírito Santo é o Senhor, não precisamos organizar as coisas para que elas funcionem. Não precisaremos planejar, imaginar e formular a fim de realizar alguma coisa, fazer a obra de Deus, ter um avivamento. Tudo simplesmente acontece. Esse é o caminho do céu. E isso requer que estejamos naquela posição, requer esse governo absoluto do Espírito Santo. Encontramos o “toque terreno” em todas as atividades realizadas pelo homem – meios, métodos, pessoas, toda aquela parafernália usada para garantir o sucesso –, e as coisas prosseguem com muito barulho e rangido, demandam por uma quantidade enorme de suporte humano, e estão prestes a desaparecer a qualquer momento; se não forem sustentadas com alguma coisa, tudo entrará em colapso.

Nunca é assim em uma obra do Espírito. A questão é esse toque terreno, pois ele sempre representa a morte, a prisão. O Senhorio absoluto do Espírito Santo demanda que esse toque terreno seja terminado – e esse é o sentido da ordem que Josué recebeu de tirar os sapatos dos pés. “Que diz meu senhor a seu servo?” [Js 5.14,15]. “Vá e conquiste a terra. Vá e tome posse dela. Vá e conduza o povo para dentro”? De jeito nenhum. “Tire seus sapatos.” “Tire os sapatos, Josué, e tudo mais acontecerá. Destrua o toque terreno e veja o que se seguirá. Você só precisará rodear Jericó. Os homens não a conquistariam dessa maneira. Imagine a tremenda campanha militar que teria sido organizada se fosse delegada aos homens a tarefa de conquistar Jericó! Não! Tire os sapatos e veja o que acontecerá.”

Se você questionar essa interpretação, veja o que aconteceu quando Josué, ou Israel, calçaram os sapatos um pouco mais à frente. O que aconteceu em Ai? O que aconteceu com os gibeonitas? Israel voltou a calçar os sapatos, a tocar na terra, e logo veio o resultado: prisão, transigência, limitação. Descalce os sapatos e deixe-os ali. O princípio do celestial é o princípio do mover do Espírito Santo, é o princípio da plenitude espiritual. “Tire os seus sapatos, porque o lugar em que está é terreno celestial.” Não temos uma posição ali; a Terra não tem lugar ali; o mundo não tem lugar ali; os homens não têm lugar ali. Esse é um solo sagrado e santificado para o céu. A partir desse ponto, o céu assumirá o controle. Sim, mesmo usando aquele grande instrumento levantado para servir ao Senhor, o céu assumiu o controle. A soberania na escolha de um instrumento nunca significa que essa soberania cede espaço à força humana, e o Senhor nunca desculpa os erros desse instrumento. Isso e válido para Josué e Israel, pois Josué, como já mencionamos, é o representante de todos os santos e todos os servos do Senhor.

O Espírito Santo comprometido com o propósito de Deus

Observe a resposta à pergunta de Josué: “És Tu dos nossos, ou dos nossos inimigos?” [v. 13]. “De qual deles? Por nós? Por eles? Por isto? Por aquilo?” “Não. Não sou por isto ou por aquilo, não sou por vós nem por eles: Eu sou pelo propósito do Senhor.” Este é o conteúdo real de Sua resposta. “Não sou por pessoas, sejam elas quem forem: Eu sou pelo propósito do Senhor. Não sou a favor desta ou daquela obra que estejam tentando fazer para o Senhor. Sou pelo propósito do Senhor, estou comprometido com o propósito de Deus, o Seu propósito eterno.” “Não, mas…” [v. 14]. Oh, se pudéssemos compreender a força dessa expressão com respeito a tudo! Queremos que o Espírito Santo patrocine nossos movimentos, nossa obra, nosso ministério. Estamos perguntando ao Espírito Santo se Ele é “por nós”. Ele nunca atestará isso. Há um sentido em que o Senhor é por Seu povo. “Se Deus é por nós…” [Rm 8.31]. Mas há outro sentido em que o Senhor diz: “Não sou por vocês, mas por Meu propósito em e por meio de vocês; não sou propriamente por vocês, como indivíduos, ou por Israel, ou por Josué, aquele que foi soberanamente escolhido e ungido. Não sou por você, mas estou comprometido com o propósito de Deus”.

O que quero enfatizar é que devemos identificar a base e o objeto do compromisso do Espírito Santo. Precisamos saber com que o Espírito Santo está comprometido. Temos muito planejamento e arranjos para o Senhor, mas o Senhor não assume e concretiza nossos planos. Quantas coisas têm sido arranjadas, planejadas e programadas hoje no mundo para o Senhor. Ainda assim, não vemos um progresso. O Senhor parece não se comprometer com elas. Esse é exatamente o ponto. Devemos identificar o objetivo do Espírito Santo. O objetivo do Espírito Santo não é fazer alguma coisa e produzir alguma coisa na Terra, não é estabelecer algo nela e em contato com ela, como “sapatos”. Estabelecer algo aqui não é, de maneira alguma, Seu objetivo. O Espírito Santo está comprometido com algo que é absolutamente celestial, e Seu objetivo pleno é separar cada coisa deste mundo, de modo espiritual e interior. Isso será ampliado mais adiante, mas observe que é muito importante saber com o que Deus se compromete. Ele não se comprometerá com nada que esteja ligado a esta Terra. Ele só se comprometerá com aquilo que estiver ligado ao céu.

O Espírito Santo com uma espada nas mãos

Uma vez que isso foi estabelecido, há algo que se segue, que é também extraordinário. Este Príncipe do exército do Senhor está de pé com Sua espada nua, desembainhada, na mão. Oh, isso indica um combate, não é? Trata-se de uma batalha, não é mesmo? Imediatamente o Espírito Santo assume o comando, e vemos uma completa rendição a Ele. Não se engane: a batalha acaba de começar. Qualquer que seja seu conceito a respeito de ser batizado com o Espírito Santo e suas implicações, seja qual for o sentido disso para você, saiba que isso significa conflito imediato e incessante. Isso pode representar outras coisas também, mas significa que entramos em uma guerra sem direito à dispensa, alistamo-nos em um exército sem direito a aposentadoria. Nunca mais nos aposentaremos. Estamos nisso até o fim.

Não foi assim com o Senhor Jesus? Tudo começou no Jordão: o céu aberto, o Espírito Santo, o deserto, o diabo. Imediatamente “foi conduzido Jesus” (Marcos usa as palavras “levado” ou “impelido”) “pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1). Assim que os céus foram abertos para o advento do Espírito, naquele dia chamado Pentecostes, a guerra começou, a Igreja nela entrou e nunca mais saiu. Se saiu foi para seu próprio prejuízo espiritual. De alguma forma, este Senhorio do Espírito Santo resulta imediatamente nisso. A espada está à mão e não será embainhada novamente até que a tarefa do dia termine.

Sim, mas devemos lembrar que essa é uma linguagem espiritual. O Espírito Santo não está muito interessado em uma guerra literal ou carnal. A guerra, o conflito no qual Ele está envolvido é segundo Sua própria natureza: espiritual. Tudo será segundo o espírito, porque forças espirituais tomaram posse do território; e, portanto, é em um combate espiritual que elas serão despojadas. Essa é uma das razões que tornam essa batalha tão real e verdadeira. Nem precisamos elaborar muito sobre isso: nós sabemos do que se trata. Sabemos que não daremos um passo sequer no sentido da conquista espiritual sem que sejamos contestados; encontraremos conflito antes de fazermos qualquer movimento ou um gesto com direção a um aumento espiritual. Essa é uma verdade. Estamos em uma guerra espiritual, e sua natureza está além de nosso poder de compreensão. Imaginamos que ela vai ocorrer de uma maneira, mas será de outra. Os ataques nunca vêm de onde esperamos e nem em formas que supomos que poderíamos reconhecer. O fato é que raramente reconhecemos o diabo quando ele desfere seus ataques. Eles parecem estar cobertos por acaso, ou infortúnio, ou algo que parece ter dado errado, mas basta julgarmos seu efeito com relação à nossa vida espiritual, e descobriremos que há algo mais de projeto e inteligência ocultos nele do que meras circunstâncias da vida. Trata-se de uma guerra espiritual, e foi o Espírito Santo quem a precipitou.

Entenda isso, pois explica muita coisa. Como o inimigo atua com freqüência usando nosso “ponto cego”! Acho que provavelmente a principal causa do sucesso dele hoje é devido aos pontos cegos do povo do Senhor. O preconceito é denominado “cautela”, a suspeita é considerada “vigilância” – bons nomes para coisas ruins. O inimigo é um mestre nesse quesito há tempos. O preconceito que você tem pode ser seu ponto cego criado pelo diabo. Ele encontrou a possibilidade de criar isso, e é o impedimento que está no caminho de sua plenitude espiritual e celestial. O povo do Senhor está preso nessa armadilha hoje, por todo o mundo. A ampliação e o aumento espirituais, de maneira celestial, estão sendo resistidos e frustrados por preconceitos e suspeitas do povo de Deus. “Um inimigo é que fez isso” [Mt 13.28].

Por que será que na Epístola aos Efésios, com toda aquela apresentação da plenitude celestial, e tendo-a em vista, e o correspondente conflito espiritual, o Apóstolo ora para que “os olhos do entendimento sejam iluminados”? [1.18]. Por que isso é necessário? Devido a esses pontos cegos, esse processo de cegueira, porque tudo pode ser perdido devido a um preconceito, uma mente algo fechada, um pouco de suspeita e de falso medo, em vez de confiar no Espírito Santo e de conhecer a unção dentro de nós que irá “ensinar todas as coisas” (1Jo 2.27) e mostrar o que é certo e errado. Podemos acreditar que estamos nos fortalecendo “preventivamente” e podemos estar nos fortalecendo contra o Espírito Santo. Isso é o que muitos estão fazendo. Essa é a esfera do conflito. Espiritualmente as coisas acontecem assim. Isso é muito sinistro e sutil.

Mas temos outro aspecto desse conflito espiritual. Por que o Espírito Santo traz isso à tona? Por que Ele precipita tudo isso? Podemos pensar que isso provém naturalmente do inimigo, mas, então, por que é o Espírito Santo que sempre inicia isso tudo, fazendo de Si mesmo a ocasião desse combate? Vimos isso no caso do Senhor Jesus. Isso aconteceu de forma deliberada conforme vemos na declaração definitiva, positiva e precisa: “Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” – o Espírito Santo tomou a iniciativa, trouxe isso à luz [Mt 4.1]. Ele fez isso com a Igreja – de modo deliberado, sabendo exatamente o que fazia. Com efeito, é como se o Espírito Santo dissesse: “Vou conduzi-los à batalha agora mesmo, imediatamente”. Por quê?

Bem, por uma razão: porque isso é uma questão espiritual, uma herança espiritual, porque há forças espirituais que se apossaram dessa herança e devem ser expulsas. Mas também é porque só crescemos espiritualmente por meio do conflito, e o Senhor tem interesse em nosso progresso. Talvez isso fosse muito difícil de compreender se alguém subisse em uma plataforma e dissesse: “Você está passando por maus momentos porque o Senhor está interessado em você. Ele está dando ao diabo permissão para atacá-lo porque tem Seus maiores interesses focados em seu bem-estar”. Talvez fosse difícil para nós aceitar essa declaração. Da próxima vez que o inimigo vier contra nós e iniciar sua obra terrível, seremos os últimos a dizer: “Oh, como o Senhor me ama!” Nós não reagimos dessa maneira.

Mas não podemos atestar que um fato verdadeiro em nossa experiência e história – e, portanto, verdadeiro ao princípio – é que nunca fazemos nenhum progresso espiritual, não aumentamos, crescemos, nem avançamos, exceto por meio do conflito? Essa é a verdade. O único caminho para crescermos é ter algo a vencer, é quando nossa vida espiritual se depara com algo a superar. Essa é uma lei na natureza e na graça. Não há progresso sem combate. Queira Deus que vejamos as coisas dessa maneira sempre que encararmos dificuldades! Acreditamos nessa verdade como um fato, mas, oh!, não gostamos de estar envolvidos nela!

Isso não será suficiente. O Senhor deseja que as pessoas realmente tomem posse; não teórica e doutrinariamente, nem com base em uma leitura da Bíblia, mas Ele deseja que realmente entrem na sua possessão. Entramos no caminho da realidade quando realmente nos sujeitamos ao Senhorio do Espírito Santo, e o Senhor considera tudo isso real e muito prático.

Jericó é um lugar representativo: o grande exemplo de como as coisas acontecerão de acordo com esse princípio. Em primeiro lugar, como já dissemos, precisaremos estar em uma posição celestial, não em uma posição terrena, não fazendo as coisas da maneira humana. Vemos o resultado daquele princípio primeiramente em Abraão, quando ele tentou agir e acabou provocando uma terrível confusão por ter tocado a Terra. E isso aconteceu outra vez quando Moisés tomou as coisas nas próprias mãos e atacou o egípcio e o hebreu, causando uma impressionante confusão. Josué toma toda aquela história espiritual, e vemos ali o resultado da disciplina do Senhor. Em Jericó descobrimos que não existem armas carnais – nada da razão humana, nada restou para o homem ali. Se não for celestial, não é nada. Não é assim que as coisas acontecem na Terra. Podemos rodear a cidade, não só por sete dias, por toda a vida, e nada acontecerá se não estivermos em uma posição celestial, a menos que haja uma intervenção dos céus. Jericó representa o homem deixado de lado, totalmente excluído. É algo celestial.

Bem, essa é a base. Então, imediatamente depois disso, descobrimos que se o inimigo não conseguir sucesso por meio de resistência declarada, tentará usar táticas mais sutis. Se estivemos firmes em uma posição celestial, o inimigo não terá sucesso por meio de uma resistência aberta. Jericó significa a manutenção dessa posição celestial. O povo não conquistou a cidade no primeiro dia, mas sustentou, guardou e ratificou sua posição, e no último dia ainda o confirmaram por sete vezes, mantendo sua posição celestial, sem retrocesso. Nem sempre alcançamos o objetivo no primeiro ou no segundo dia. Deve haver um apego a essa posição em fé, e o inimigo será completamente derrotado quando essa posição for realmente sustentada dessa forma. Quando ele for derrotado nessa linha, ele precisará assumir a derrota, mas, se puder, vai tentar trabalhar usando meios sutis.

Não é isso que vemos no caso dos gibeonitas? Eles agiram de maneira sutil para introduzir um “toque terreno” em algum lugar [Js 9.4-6]. O mesmo aconteceu com Acã e Ai, a capa babilônica e a cunha de ouro – vemos nisso um toque terreno [Js 7.21]. Os gibeonitas e a aliança feita com eles se constituíram em outro toque terreno. Não devemos imaginar que nossa guerra espiritual sempre será aberta, clara e declarada. Devemos perceber o toque terreno sendo manobrado pelo inimigo na tentativa de introduzir algo que tenha contato com o que é amaldiçoado e com o qual Deus não poderá prosseguir.

Como isso acontece? Sabemos, é claro, que eles haviam saído de Gilgal – Gilgal, o lugar do rolar [1], o lugar onde a carne foi deixada de lado. Mas eles não retornaram para Gilgal depois de Jericó. Eles seguiram diretamente para Ai; embora o costume fosse sempre retornar para Gilgal após um avanço ou uma conquista – retornar para Gilgal e sair novamente de lá. Desta vez, eles não fizeram isso, mas continuaram em frente.

Vamos nos manter perto da cruz e nunca presumir que, como o Senhor nos abençoou, nos levou a prosperar e a ter sucesso, podemos prosseguir sem ela. Nunca, por um momento sequer, devemos nos afastar da Cruz. A Cruz não é algo que fica para trás, a ser deixado. É algo para estar conosco todo o tempo. É nossa segurança. Esse é o caminho celestial, essa é a natureza do caminho celestial, é o caminho para o fim proposto por Deus. Que o Senhor nos mantenha nele.

[1] A palavra Gilgal significa “uma roda, um rolo”.


Para ler o capítulo 1, clique aqui; capítulo 2, aqui; capítulo 3, aqui; capítulo 4, aqui, capítulo 5, aqui, capítulo 6, aqui.

Traduzido por Maria Ewald de Pioneers of the Heavenly Way; “Chapter 7 – Taking Possession of the Heavenly Land”. Obra originalmente publicada por Testimony Book Ministries, em 1953. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.